Qual a ordem de leitura dos Livros de Nietzsche? Não existe uma ordem específica de leitura, o que a maioria dos estudiosos como Clovis de Barro, Scarlett Marton, Viviane Mosé dizem (e eu concordo) é que qualquer livro de Nietzsche será uma leitura provocativa com um grande desafio.

Por que desafio? Pela linguagem? Pela complexidade dos assuntos?

Não exatamente isso, porque Nietzsche trata de assuntos complexos de maneira diferente dos outros filósofos. Ele não segue uma sequência cronológica para determinados assuntos, portanto, não existe uma ordem única de leitura de seus livros.

Porém, existem um consenso entre nós leitores de Nietzsche, sobre qual o primeiro livro que deveríamos começar a ler.

Publicidade - OTZAds

Confira agora, a ordem de leitura dos principais livros de Nietzsche.

1 – “O Crepúsculo dos Ídolos, ou como Filosofar com o Martelo”. (1888)
Este livro foi escrito entre agosto e setembro de 1888.

Neste livro Nietzsche traça um paralelo crítico da história do desenvolvimento do pensamento até o seu nascimento. Esta também é uma dica do próprio Nietzsche recomendada em Ecce Homo. 

2 – “Para Além do Bem e do Mal, Prelúdio a uma Filosofia do Futuro”. (1886)

Um livro repleto de aforismo famosos de Nietzsche, porém, o próprio autor diz que o livro é de difícil compreensão. Quando eu comecei a minha jornada inicial de leitura de Nietzsche em 2011, este foi o meu primeiro livro. Não faça isso, certamente ficará perdido, pois Nietzsche é um filósofo que exige um hábito com sua forma de filosofar. 

3 – “Genealogia da Moral, uma Polêmica”. (1887)
Escrito para explicar o livro “Para Além do Bem e do Mal, Prelúdio a uma Filosofia do Futuro”. É neste livro que Nietzsche explicar bem sobre a moral do rebanho, do senhor, do escravo. Leitura riquíssima para entender moral e ética na perspectiva de Nietzsche. 

4 – “A Gaia Ciência” e também traduzido como “Alegre Sabedoria”. (1882)

O livro onde Nietzsche anunciou a Morte de Deus. Uma verdadeira obra de arte, com diversos aforismas profundos. Leitura super recomendada. 

Publicidade - OTZAds

5 -“Humano, Demasiado Humano, um livro para Espíritos Livres”. (1886, versão final)

A primeira parte deste livro foi publicada em 1878 e complementada com o título “Opiniões e Máximas” em 1879 e com o texto “O Andarilho e sua Sombra” em 1880.
A versão final, como tem o título atual foi publicada em 1886.

Não está entre os melhores da minha lista, mas a leitura também é indispensável. 

6 – “Aurora, Reflexões sobre Preconceitos Morais”. (1881)

Poético, mas também não está entre os meus preferidos, mas é questão de gosto, não é mesmo? 

7 – “Assim Falou Zaratustra, um Livro para Todos e para Ninguém”. (1885)
Escrito entre 1883 e 1885.

Amo demais! Apaixonado, o melhor pra mim. Profundo, poético, intrigante, enriquecedor, uma sinfonia para nós espíritos livros. Um livro para todos ou para quase ninguém. 

8 – “Ecce Homo, de Como a Gente se Torna o que a Gente é” (1908)
Escrito entre outubro e novembro de 1888 (biográfico) e publicado postumamente em 1908.

Amo!! Nietzsche comenta todos os seus principais livros nessa autobiografia. 

9 – “O Anticristo – Praga contra o Cristianismo”. (1888)
Escrito em setembro de 1888 na Itália. 

Gente, posso falar que amo demais esse livro também? Quer recomendar um livro de Nietzsche para um cristão? Então dê esse livro de presente!

Publicidade - OTZAds

10 – “O Nascimento da Tragédia no Espírito da Música”. (1872 e 1886)
Publicado em 1872 e reeditado em 1886 com o título “O Nascimento da Tragédia ou
Helenismo e Pessimismo”, acrescido de um prefácio autocrítico.

Vou ser sincero, acho chato esse livro, talvez porque a filosofia de Nietzsche ainda não estava tão bem desenvolvida, dizem que foi o primeiro livro que ele escreveu. 

11 – “A Filosofia na Idade Trágica dos Gregos” (1873)
Ao que tudo indica, foi escrito em 1873 mas, publicado somente após a morte de Nietzsche.

12 – “Cinco Prefácios para Cinco livros não Escritos” (1872)

Este é interessante, pois Nietzsche fala sobre assuntos não tão habituais como nos outros, leitura derradeira, não precisa estar entre as primeiras.