Não foi dessa fez que o Bolsonaro conseguiu concretiza seu sonho de consumo: ser reverenciado como um senhor soberano. De acordo com publicação do G1 e Estadão, o líder do PSL na Câmara dos Deputados, Vitor Hugo (GO), defendeu nesta terça-feira (30), em reunião de líderes partidários, a votação no plenário de um projeto de lei golpista que, se caso fosse aprovado, daria a Bolsonaro, o poder de acionar, durante a pandemia, o dispositivo da chamada “mobilização nacional”.

Nos bastidores da câmera já se falava em Golpe. E foi justamente por isso que os chefes das forças armadas pularam do barco que está à deriva.

Publicidade - OTZAds

Para quem não não sabe, o mecanismo de mobilização nacional é previsto na Constituição de 1988. Foi o regulamentado em lei específica para o caso de uma possível agressão estrangeira. Pelo projeto, a crise na saúde pública poderia ser usada como motivo para a mobilização.

Como funciona isso na prática:

Bom, o texto estabelece que, nesse caso, o chefe do Executivo poderá tomar medidas que incluem, entre outras, a intervenção nos fatores de produção públicos e privados; a requisição e a ocupação de bens e serviços; e a convocação de civis e militares para ações determinadas pelo governo federal.

Publicidade - OTZAds

O clima geral em Brasília já era sobre uma tentativa de golpe que o presidente estava querendo dar.

Por meio das redes sociais, o deputado Fábio Trad (PSD-MS) ressaltou que a mobilização nacional “não foi criada para disciplinar crise sanitária, mas situação de guerra”.

E é exatamente isso, o projeto “pode ser manipulado para a inadmissível tentativa de concentração absoluta de poderes por parte do Executivo, excluindo governadores e prefeitos do combate à pandemia”.

O deputado Paulo Teixeira do PT de São Paulo diz que o projeto representa uma “violência contra as instituições democráticas brasileiras”. Na avaliação dele, a matéria permite a Bolsonaro aprovar um “instrumento legal para promover um golpe de estado no Brasil”.

A deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS) também se manifestou contra o projeto e disse haver uma mobilização para impedir a votação da proposta.

Publicidade - OTZAds

“Enquanto Bolsonaro faz queda de braço com os comandantes das Forças Armadas, no Congresso o líder do PSL quer votar com urgência um PL para o presidente decretar “Estado de Mobilização Nacional” mesmo que não estejamos em guerra. Estamos mobilizados para impedir este absurdo”

E aí, o que vocês acham? Bolsonaro vai continuar tentando dar um golpe ?