casadomartelo.com

A queda vem, por mais que você tente ainda defender o que esse mandrião faz. Segundo últimas pesquisas, a rejeição ao governo de Jair Bolsonaro saltou de 54% há duas semanas para um recorde de 59%, revelam dados publicados nesta quarta-feira pelo PoderData.

O estudo mostrou que os que aprovam subiram de 32% para 33%. Considerando uma margem de erro de 1,8 ponto percentual, a variação indica estabilidade.

Publicidade - OTZAds

O atual desgoverno Bolsonaro é hoje rejeitado por um recorde de 59% dos eleitores. Essa é a taxa mais alta registrada desde o início da pandemia e quando o PoderData passou a fazer levantamentos regulares, nacionais, a cada 15 dias –o único levantamento dessa natureza no Brasil com essa regularidade.

Há duas semanas, a taxa era de 54% e a tendência é chegar até o fim do governo de pelo menos 85% de rejeição.

Como uma pequena margem de erro do estudo é de 1,8 ponto percentual, para mais ou para menos, houve realmente uma piora na aprovação do governo federal.

Publicidade - OTZAds

Lembrando que aprovam o governo Bolsonaro eram 32% há duas semanas e agora são 33%, o que indica estabilidade.

As pesquisas também mostraram que houve também redução expressiva dos que dizem não saber responder, que são 8% hoje e eram 14% há 15 dias. Isso é mais um sinal da intensa polarização de opiniões sobre a administração de Jair Bolsonaro: ou as pessoas aprovam (33%) ou desaprovam (59%).

Veja o gráfico abaixo :

Era para esse número de rejeição está em 100%, pois o que esse irresponsável vem fazendo com o país é algo inaceitável. Não dá mais para tolerar a destruição do pais que o seu desgoverno vem fazendo desde que assumiu o poder.

A avaliação negativa do trabalho de Jair Bolsonaro manteve-se estável. A proporção dos que consideram a atual gestão “ruim ou péssima” passou de 52% para 53% (oscilação dentro da margem de erro) em 15 dias. Os que consideram o trabalho do chefe do Executivo “bom ou ótimo” somam 26% (eram 24% no levantamento anterior).

Publicidade - OTZAds

Fonte: https://www.moneytimes.com.br